Idade

O vento sopra por entre as folhas que vão caindo lentamente, o chão vai ficando como uma esteira dourada, a pouco e pouco as árvores vão-se desnudando, deixando a descoberto, todo aquele tecido que as envolve num mistério tal. Envelhecer!

Sim é um pouco isso, deixar de parte as máscaras que nos encobriam desde a juventude, e tornar público, aquilo que realmente somos, deixar ver as rugas de um tempo ido e recordado, deixar transparecer a pura essência que realmente somos.

Apreciamos num quadro as fissuras da tela, marcas de um tempo que teima em passar. Se assim é, porque é que não aceitamos o nosso envelhecimento, como fissuras em tela antiga?

Talvez porque é aqui, que pela primeira vez somos realmente nós, sem sombra de dúvida, talvez porque, simplesmente o receamos. Talvez tenhamos receio de olhar de frente o espelho da vida e ver que não voltamos mais a ser crianças.

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença:
Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Portugal.

Participação no Blog Fábrica de Letras e Palavras . Tema de Outubro: O cair das folhas

Download PDF

3 thoughts on “Idade

  1. josé jaime

    “Sem sombra de dúvidas” as folhas cairam mas a idade chegando chega também o prazer do dever cumprido e a época de colher os frutos da realização pessoal.
    Gostei do texto.
    Abraços

    Reply
  2. Utopia Realista

    O nosso envelhecimento pode bem ser o outono da nossa vida mas por vezes pode ser benéfico não ficarmos presos a esse envelhecimento, não o vermos quando nos olhamos ao espelho, e mantermos viva a criança que há dentro de nós. Eu pelo menos prefiro assim.

    Excelente texto. Parabéns.

    Reply

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.